Arquivo do mês: maio 2009

O tudo e o nada

Oswaldo Goeldi

Eu era tudo para ele. Em meus olhos ele encontrava a pessoa que eu sempre quis ser. Amável, paciente, alegre, charmosa, inteligente. E ele era o pensamento que caminhava insistentemente entre o lúdico e o real.

O que houve com nós dois ninguém saberia explicar. Alguns dizem que o tempo não era certo, outros,  que o destino não quis.

O que sabemos é que, no começo, éramos tudo, então passamos para contatos intensos, beijos sem intenção, telefonemas perdidos, sms de madrugada, despedidas, dor, traição, rejeição, pensamentos distantes, pequenas lembranças, significantes esquecimentos,  pó, fumaça, nada.

Anúncios